Sorvete de Gengibre de Jurassic Park

Aproveite o verão para se deliciar com este Sorvete de Gengibre citado no livro “Jurassic Park”, de Michael Crichton

O assunto dinossauros é um assunto que causa muita curiosidade. Imagina um mundo, o nosso mundo, povoado por estes seres gigantescos e incríveis?

Foi com muita curiosidade, portanto, que eu li o livro “Jurassic Park”, do Michael Crichton. E, claro, me deliciei com o Sorvete de Gengibre citado por lá. 

 

Quando eu assisti “Jurassic Park”, dirigido por Steven Spielberg em 1993, inspirado no livro de Crichton, eu fiquei fascinada. Será que um dia chegaríamos a viver a incrível oportunidade de visitar um parque dos dinossauros?

Em 1990 o escritor Michael Crichton publicou “Jurassic Park”, uma obra completíssima sobre um parque povoado por dinossauros recriados através da engenharia genética.

Além de contar o colapso do parque e muitas curiosidades sobre os dinossauros, o livro discute fatos interessantíssimos sobre a engenharia genética. Para mim, a parte mais curiosa de todo o livro. E que merece ser bem discutida.

Crichton é muito cuidadoso ao explicar detalhadamente como seria possível um dia recriar os dinossauros e, realmente, trazerem eles de volta.

Na história existe um multimilionário chamado John Hammond que decide trazer os dinossauros de volta e criar um parque para que as pessoas visitem esses animais incríveis. A primeira vista, é um ideia boa. Imagina. Eu iria.

É claro que apesar de hoje em dia ser pouco provável trazer dinossauros de volta através do sangue de dinossauro sugado por um mosquito que ficou preso no âmbar (teoria proposta no livro), o escritor Crichton traz pesquisas que argumentam isso, tornando o fato extremamente verossímil.

E é aí que entra o debate filosófico.

Há certas coisas que a humanidade não deveria mexer. E aí temos a discussão toda sobre como o avanço da ciência causa nos humanos um “complexo de Deus”, que é o grande problema do Hammond.

Outro personagem incrível chamado Ian Malcolm, que não é tão bem aproveitado nos filmes, sempre traz isto à tona. Ele usa a teoria do caos como argumento para explicar que aquele parque não é uma boa ideia.

Por mais que tudo seja milimetricamente planejado, nós nunca teremos total controle de uma situação.

Para começo de conversa, nem os animais são os mesmos. Como os cientistas não têm o DNA completo, eles acabam completando o DNA com o de rãs, criando uma espécie diferente, com a possibilidade até de se reproduzir sem acasalamento.

Além disso, o clima é outro. Os próprios visitantes alteram o habitat desses animais. E, como eu disse, são animais. Com vontades próprias. Independentes. É impossível prever os seus atos. Ou seja, para Malcolm, aquele parque é uma grande tragédia prestes a acontecer.

E, bom, se você conhece a história, sabe que a tragédia realmente acontece.

Então assim, não. Não seria incrível se um dia tivéssemos oportunidade de curtir um parque dos dinossauros. É melhor que você se deixe levar pela ideia só no livro mesmo. Ou nos filmes.

Há anos rola um debate ético sobre a ideia de alguns cientistas que querem trazer o mamute de volta. A ideia é criar um embrião híbrido de mamute com elefante. Isso dando certo, poderia viabilizar que seres do passado, como os neandertais também fossem trazidos de volta. Talvez até os dinossauros.

Mas aí você para e pensa. Pra que? Nas minhas pesquisas vi que as opiniões são divididas. Muitos cientistas acham que a volta do mamute poderia ajudar no aquecimento global, pois os animais ajudariam pra que o solo não descongelasse, já que eles perfurariam o gelo, possibilitando a entrada do ar frio.

Outros cientistas acreditam que o certo é gastar esses investimentos em pesquisas que tentam preservar o meio ambiente que ainda temos.

Por isso, vale a leitura de “Jurassic Park”.

O livro aponta vários questionamentos e as possíveis consequências de trazer esses animais de volta. Será que não é melhor que eles permanecem ali, num capítulo importantíssimo da nossa história e, ainda bem, muito distante daqui?

Mas vamos falar de comidinhas?

John Hammond é um cara cego pela ganância de fazer o parque dar certo. O negócio tá indo pro ralo, com as pessoas literalmente tirando pernas decepadas e devoradas do meio da selva, e ele tá lá, sentado e confortável, comendo sorvete de gengibre enquanto sonha com o parque sendo visitado por crianças ricas.

Durante esse jantar, o engenheiro genético Henry Wu está contando pra ele que os dinossauros criados em laboratórios – todos fêmeas para que, justamente, não se reproduzissem – tão parindo por aí pelo parque. Mas Hammond só se preocupa com o sorvete e com o sucesso do empreendimento. Não tá nem aí para o netos Lex e Tim que estão desaparecidos no parque, com um Tiranossauro à solta perseguindo eles.

Lex é outra. O mundo tá literalmente acabando e ela só sabe falar que tá com fome. Ela fica o livro todinho reclamando que tá com fome. Ela tá sendo atacada por um Tiranossauro e lembra que tá com fome. Gente, como que você vai sentir fome numa situação dela?

Até que finalmente ela tem a oportunidade de se deliciar de sorvete, mas aí é impedida por um Velociraptor. Apenas.

No livro, o Parque dos Dinossauros fica na Isla Nublar, uma ilha fictícia que fica a apenas alguns quilômetros da Costa Rica. Caso você não saiba, a Costa Rica é um importante produtor de gengibre.

Então, aproveita essa receitinha delícia de Sorvete de Gengibre.


Sorvete de Gengibre de Jurassic Park
Avalie essa receita
Imprimir Receita
Ingredientes
  1. 1 xícara de chá e 1/2 de açúcar mascavo
  2. 1 dose de Cointreau
  3. Canela em pau a gosto
  4. 3/4 xícara de chá de suco de laranja
  5. 1/2 xícara de chá de gengibre picado
  6. 1/2 xícara de chá de iogurte grego
  7. 5 claras batidas no ponto de neve
  8. 1 xícara de chá de creme de leite fresco
Modo de Preparo
  1. Numa panela, coloque o gengibre e o açúcar e mexa até o açúcar derreter.
  2. Na batedeira, coloque uma xícara de creme de leite fresco e bata para que comece a engrossar.
  3. Acrescente meia xícara de iogurte ao creme de leite batido e misture gentilmente.
  4. Delicadamente, incorpore a mistura às claras batidas até ficar homogêneo.
  5. Leve até o congelador por uma hora e bata novamente por dois minutos.
  6. Mais uma hora no congelador e bata por mais dois minutos.
  7. Cubra e coloque no congelador durante pelo menos seis horas.
Capitu vem para o jantar http://capituvemparaojantar.com/site/
Olha, eu prometo que esse Sorvete de Gengibre fica maraaaaaavilhoso!

Não esquece de curtir, comentar, compartilhar e, claro, se inscrever no canal pra ficar por dentro das novidades. É só clicar aqui!

Curta o Capitu Vem Para o Jantar no Facebook, Instagram e siga o canal no Youtube.

Até a próxima receita.

<3

Denise Godinho

Meu nome é Denise Godinho. Decidi aprender a cozinhar e, para a empreitada ser mais interessante, vou fazer as receitas que estão escondidas dentro dos livros. E, acredite, são muitas!