Receita da sopa dourada de Eça de Queirós

Machado de AssisMachado de AssisNível: 2 Machados que valem a pena!

A receita de hoje está no livro “A cidade e as serras” de Eça de Queirós. Eu me lembro que a primeira vez que eu li este livro foi porque ele era leitura obrigatória de alguma das universidades que eu queria entrar. Lembro também que não gostei. Achei chato, tedioso e difícil de ler. Sempre preferi “O Primo Basílio” ou “O Crime do Padre Amaro”. Dia desses resolvi dar mais uma chance para o último livro do autor português. E o que aconteceu? Eu gostei!

A Sopa Dourada era uma das sobremesas favoritas do escritor português

Os livros são assim, né? A história depende de uma série de fatores para te encantar, o seu estado de espírito no momento, a fase que você está vivendo e maturidade. Acho que foi isso que me faltou quando eu li a obra pela primeira vez, maturidade.

O que aconteceu foi que logo no início eu me deparei com uma receita um tanto inusitada: Sopa Dourada.

O que raios é isso?

Receita de Sopa DouradaA sopa dourada

Você provavelmente já deve conhecer a história de “A cidade e as serras”. Mas vou fazer um rápido resumo: A história é narrada por José Fernandes, que conta a história de seu amigo Jacinto. O enredo se desenrola em Paris numa época em que Paris era considerada o centro do mundo, o grande modelo contemporâneo. (Eu já escrevi sobre isso quando dei a receita da Cocada de Machado de Assis, lembra?).

O dilema campo x cidade é retratato ao contar que Jacinto, homem da cidade grande, deve voltar a Portugal depois que a igreja onde seus avós estão enterrados é destruída por uma tempestade. Ele pede para reconstruir a igreja, mas precisa voltar até a cidade da sua família. Em Paris, Jacinto é um homem adoentado, que anda encurvado e começa até a ter uma pequena corcunda. A vida dele muda ao chegar no campo, a saúde melhora e até encontra um novo amor.

E então você me pergunta, mas e a sopa dourada? A receita aparece ainda no início do livro, quando José Fernandes volta a Portugal, em Guiães, no Douro. O seu tio Afonso acaba de mandar uma carta pedindo que ele retorne e aproveita para contar como vão as coisas nas terras de lá. Entre as novidades está o aniversário de trinta e seis anos de casamento dele com a tia Vicência e, para a ocasião, ela está fazendo sopa dourada. José Fernandes toma alguns momentos para si e lembra da sopa dourada. “Deitado numa acha ao lume, pensei como devia estar boa a sopa dourada da tia Vicência. Há quantos anos não a provava, nem o leitão assado, nem o arroz de forno da nossa casa”, ele diz.

Ele decide voltar, enche a mala com as calças, peúgas e um Tratado de Direito Civil para aprender as leis que regem os homens. Ele avisa Jacinto que está voltando para o campo e o amigo diz horrorizado, afinal, sair da civilização? “Para Guiães? Oh, Zé Fernandes! Que horror!”. Zé Fernandes relembra o momento em que o amigo o levou ao trem: “A mágoa conviria excelentemente ao meu funeral”.

Ao chegar em Guiães, ele parte correndo para provar a iguaria de Tia Vicência. “Comi com delícias a sopa dourada”

E assim ele decide ficar e passam-se sete anos até ele retornar a Paris para encontrar novamente o amigo Jacinto.

Curiosidades

Eça de Queirós

O romance foi publicado em 1901, um ano depois da morte de Eça de Queirós, e é considerado uma espécie de reconciliação dele com Portugal, pois em suas obras ele criticou muito o seu país. A história tem muito de autoral, pois ele mesmo viveu em Paris durante 12 anos enquanto foi cônsul de Portugal.

Confesso que li o texto e pensei: Sopa Dourada? E imaginei uma sopa salgada. Acontece que ao pesquisar sobre o prato descobri que não é nada disso e trata-se de uma receita de sobremesa, uma espécie de rabanada coberta por um creme feito com ovos, açúcar e canela.

Eu estive em Portugal no ano passado, só conheci Lisboa e Porto e foi suficiente para amar a terrinha. E o melhor de tudo, a infinidade de receitas feitas à base de ovos. Naquela época eu ainda não pensava em fazer este blog e perdi a oportunidade de conhecer a tradicional Sopa Dourada da Igreja de Santa Clara, que fica em Porto. Mas fica aqui a dica para quem viajar para lá.

O escritor Eça de Queirós é conhecido por ter sido um gourmet. Ele adorava comer e sempre colocava suas impressões gastronômicas em seus livros. E eu desconfio que ele era um apreciador de receitas à base de ovos, pois elas reinam em seu universo literário. (Eu vou fazendo aos poucos cada uma delas, não se preocupe, viu?). No entanto, a saúde debilitada do escritor o fazia viver com restrições alimentares. A escrita era uma forma que ele encontrou de realizar as suas vontades através dos personagens.

Um receita bem simples e doce, cheia de ovos, como os legítimos doces portugueses pedem

Ingredientes

A receita original pede amêndoas laminadas, mas eu improvisei e fiz com nozes. Ficou ótimo mesmo assim, mas as nozes deixaram a sopa mais escura. Ela ficou marrom e não amarela, como devia ser para fazer jus ao seu nome.

– 350g de açúcar
– 12 gemas de ovos
– 100 gramas de nozes picadas
– Fatias de pão de ló (Quanto baste)
– raspas de limão
– canela em pó

 Passo a Passo

Você pode comprar o pão de ló pronto, mas como o intuito é aprender a cozinhar, eu decidi fazer o bolo também. Então aqui vai a receita:

O pão de ló

– 4 ovos
– 4 claras em neve
– 2 xíc de farinha de trigo
– 1 1/2 xic de açúcar
– 1 colher de fermento em pó
– 1 xic de água fervente

Coloque as gemas com a água fervente e bata até subir espuma, junte o açúcar e bata mais. Vá acrescentando a farinha aos poucos, sem parar de bater. Bata por vinte minutos.
Junte o fermento em pó e as claras em neve e mexa com a mão, delicadamente. Coloque numa forma untada e polvilhada com farinha e deixe assando nos primeiros dez minutos em forno alto e os quarenta minutos restantes em temperatura média.

A sopa

Coloque o açúcar no fogo alto com um copo de água, deixe no fogo até o ponto pérola. Eu explico: o ponto pérola é quando o açúcar derrete e escorre na colher. Aliás, confesso que a internet está sendo uma linda ao me ajudar nesta história de reconhecer os pontos dos doces.

Corte o pão de ló em fatias e distribua numa forma. Molhe as fatias com o açúcar em ponto pérola. Mas cuidado para não usar todo o açúcar, tá?

Depois adicione ao açúcar que sobrou as raspas de limão e as nozes e deixe no fogo.

Bata as gemas dos ovos. Retire a panela do fogo para acrescentar as gemas. A dica é tirar a panela do fogo para que o creme não talhe. Depois de ter mexido o creme, retorne a panela para fogo.

Deixe engrossar e despeje o creme em cima das fatias de pão de ló.

Polvilhe canela em pó.

A família Moura aprovou a minha receita e ainda posaram feliz com ela

 Eu levei a sobremesa portuguesa para a família Oliveira e Moura, família com descendência portuguesa do meu namorado. Um teste e tanto! E parece que foi aprovada! Ufa! 

Só fica o aprendizado para a próxima vez: Pensar um pouco melhor na quantidade, porque um singelo pratinho desse não deu pra nada! rs

você também pode gostar de...
  1. Janaina Diz

    Oi, Amei o blog! Além de charmoso nos faz preparar e comer na vibe do livro ou filme.
    Agora um pedido: Faça os croissant de chocolate de simplesmente complicado?
    Abraço

    1. capituvemparaojantar Diz

      Oi. Janaina, tudo bem?
      Eu tenho planos de mais pra frente começar a cozinhar algumas coisas de filmes e seriados. Mas, algo assim, de 15 em 15 dias, para não perder o foco da literatura. E aí farei os croissant sim. Acredita que nesta semana mesmo uma amiga falou deles pra mim? Já coloquei na fila.
      Muito obrigada pela visita.
      Beijão

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.