Como fazer arroz-doce do Jorge Amado

O arroz-doce aparece em diversas obras de Jorge Amado. Fiz a receita presente no livro “A Comida Baiana de Jorge Amado” e em “Dona Flor e Seus Dois Maridos“. E o melhor? Sem leite condensado!

Esta ideia de aprender a cozinhar com meus escritores preferidos anda rendendo bons bocados. Primeiramente porque, é claro, estou aprendendo a cozinhar enquanto me divirto capturando alguma receita nas páginas da obra.

E em segundo lugar, porque as pessoas ao meu redor acabam incentivando a empreitada com ideias, receitinhas, dicas e, às vezes, presentinhos. Foi o que aconteceu no último Natal. Sabendo do blog, uma tia me presenteou com o livro “A Comida Baiana de Jorge Amado”, de Paloma Jorge Amado, ninguém mais, ninguém menos que a filha do escritor.

A obra foi relançada pela Editora Panelinha e traz receitas de comidinhas escondidas nas obras de Jorge Amado. É um livro delícia para quem, assim como eu, adora esta simbiose entre gastronomia e literatura.

É claro que há diversas receitas de bolos, sobremesas, refeições completas e etc. Mas optei pelo arroz-doce porque era algo prático e porque eu simplesmente amo arroz-doce. Fiquei ainda mais curiosa quando vi que a receita de Jorge Amado não vai leite condensado. Ficou curioso também?

Você já deve saber, mas não custa lembrar. “Dona Flor e seus dois maridos” é um livro obrigatório e divertidíssimo. A obra conta a história de Dona Flor, um exímia merendeira que ganha a vida dando aula de culinária na escola “Sabor & Arte”.

Ela foi casada com Vadinho, um boêmio que, num belo dia de Carnaval, cai morto na rua e a deixa viúva.

Com o passar do tempo, Dona Flor acaba cedendo às investidas do Doutor Teodoro e se casa novamente, mas nunca supera a morte do primeiro marido.

dona flor e seus dois maridos

Vadinho e Teodoro são personagens completamente opostos de personalidade, físico e até nos gostos culinários;Teodoro é um homem sério, mais velho e que gosta dos mingaus como canjica e arroz-doce; Já Vadinho era um boêmio incorrigível, que se esbaldava com a cozinha porreta da esposa, inventando apelidos carinhosos para ela como “Meu acarajé gostoso” ou “Minha franguinha gorda”.

“Dona Flor e Seus Dois Maridos” foi publicado em 1966 e descreve com muita ironia e numa linguagem super regional a cidade de Salvador nos anos 40.

Virou filme em 1976, dirigido por Bruno Barreto e protagonizado por Sônia Braga, José Wilker e Mauro Mendonça.

A obra é um incrível livro de receitas típicas baianas e, com certeza, trarei muitas para o blog. Porém, hoje aprenda como fazer arroz-doce. 

A receita a seguir foi dada a Zélia Gattai, escritora e esposa de Jorge Amado, por Elisa Salema, esposa do escritor português Álvaro Salema.

Segundo o livro organizado por Paloma Jorge Amado, come-se arroz-doce nas obras “Cacau“, “Jubiabá“, “Dona Flor e Seus Dois Maridos” e “O Sumiço da Santa“.

Quer aprender como fazer arroz-doce? Então aprenda a fazer com a receita da Dona Flor. 


1machado 

Arroz-Doce
Tempo de Prep.
30 mins
 
Serve: 4
Autor: Paloma Amado
Ingredientes
  • - 7 punhados de arroz de goma se não encontrar, compre um arroz que desmanche ao cozinhar - dica retirada do próprio livro
  • - 2 1/2 litros de leite
  • - Casca de dois limões
  • - 1 colher sopa de manteiga
  • - Açúcar a gosto
  • - 7 gemas de ovos grandes
  • - canela em pó a gosto
Instruções
  1. Numa panela, coloque o arroz e cubra-o com o leite, deixando-o descansar por duas horas.
  2. Acrescente a casca dos limões e leve ao fogo até que o arroz fique bem cozido.
  3. Tire a panela do fogo, junte a manteiga, tempere com açúcar e coloque as gemas.
  4. Volte com a panela ao fogo até que engrosse.
  5. Retire do fogo e coloque numa travessa para esfriar.

 Adorei a receita! O arroz fica bem cremoso e não há quem diga que não vai leite condensado.

Sirva gelado com canela em pó em cima!

você também pode gostar de...

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.