0

Jorge Amado e Arroz-Doce

IMG_0944 - Cópia - Cópia (2)Nível: Apenas 1 Machado

 

O arroz-doce aparece em diversas obras de Jorge Amado. Fiz a receita presente no livro “A Comida Baiana de Jorge Amado” e em “Dona Flor e Seus Dois Maridos“. E o melhor? Sem leite condensado!

Arroz Doce

Esta ideia de aprender a cozinhar com meus escritores preferidos anda rendendo bons bocados. Primeiramente porque, é claro, estou aprendendo a cozinhar enquanto me divirto capturando alguma receita nas páginas da obra.

E em segundo lugar, porque as pessoas ao meu redor acabam incentivando a empreitada com ideias, receitinhas, dicas e, às vezes, presentinhos. Foi o que aconteceu no último Natal. Sabendo do blog, uma tia me presenteou com o livro “A Comida Baiana de Jorge Amado”, de Paloma Jorge Amado, ninguém mais, ninguém menos que a filha do escritor.

A obra foi relançada pela Editora Panelinha e traz receitas de comidinhas escondidas nas obras de Jorge Amado. É um livro delícia para quem, assim como eu, adora esta simbiose entre gastronomia e literatura.

É claro que há diversas receitas de bolos, sobremesas, refeições completas e etc. Mas optei pelo arroz-doce porque era algo prático e porque eu simplesmente amo arroz-doce. Fiquei ainda mais curiosa quando vi que a receita de Jorge Amado não vai leite condensado. Ficou curioso também?

Continuar a ler

Anúncios
4

Dez restaurantes frequentados por grandes escritores

Novidade aqui no blog! Um guia de restaurantes frequentados por grandes escritores e que ainda estão em funcionamento ao redor do mundo.

Dá muita vontade de fazer a mala para cair no mundo numa viagem com o intuito de conhecer os lugares visitados por estes grandes nomes. Imagina sentar num lugar e pedir o mesmo prato que Jack Kerouac? Se apoiar no mesmo balcão em que Machado de Assis comeu uma cocada? Ou tomar um drink apreciando o mesmo ambiente que Fitzgerald?  Muito, muito amor, né? ❤

Simone de Beauvoir e Jean-Paul Sartre frequentavam o Les Deux Magots, em Paris.

Simone de Beauvoir e Jean-Paul Sartre frequentavam o Les Deux Magots, em Paris.

Continuar a ler