#CapituVisita | A casa onde morreu o poeta John Keats

Uma vez em Roma, não deixe de visitar a Keats-Shelley House, lugar onde faleceu o poeta romântico John Keats.

No final de 2015 decidi passar minhas férias na Itália. É claro que todos os passeios clichês estavam no roteiro. Mas havia apenas um lugar que eu bati a perna e fiz questão de conhecer: a casa onde morreu o poeta John Keats.

Junto de Lord Byron e Percy Shelley, Keats se consagrou como um dos poetas ingleses mais importantes da segunda fase do Romantismo.

Ele era um cara bem atormentado e seus poemas são carregados de sentimento. Também pudera. John Keats viveu uma vida intensa e curta. E bota curta nisso… Morreu com apenas 25 anos por causa da tuberculose, enfermidade que o acompanhou por muitos anos.

john-keats

Em 1820 a doença se agravou e ele foi aconselhado a se mudar para Itália. Segundo os médicos, o clima ameno do país mediterrâneo faria bem para seus pulmões. Além disso, não seria nada mau fugir do rigoroso clima frio inglês.

Então lá foi ele, John Keats, se mudar para o charmoso sobradinho no pé da Escadaria Espanhola, na Piazza di Spagna, em Roma. E para a nossa sorte, a casa é aberta a visitação.

Antes de falar sobre a Casa-Museu, é preciso dizer que a ida para Roma não foi tão simples assim.

Pouco tempo antes, John Keats havia conhecido Fanny Brawne, o amor da sua vida. O romance durou um pouco mais de dois anos e é visto pelos especialistas como um grande incentivador da obra de Keats.

A família de Fanny não aprovou o romance, já que o escritor havia abandonado os estudos de medicina para se dedicar à poesia. Imagina?

Mesmo assim, seguiram firme e forte e às escondidas. E em 18 de outubro de 1819, Keats a pediu em casamento.

O noivado seguiu em segredo até a partida forçada de Keats para a Itália, em novembro de 1820.

Foi uma despedida dolorida, como se pode imaginar. Na ocasião da partida, o poeta presenteou Fanny com um exemplar de Rei Lear, de Shakespeare.

Os dois se falaram por sentimentais cartas durantes os meses que Keats ficou fora, mas infelizmente, nunca mais se encontraram novamente.

O curioso é que o romance entre Keats e Fanny só foi descoberto em 1865, 44 anos após a morte do escritor. Um pouco antes de morrer, Fanny reuniu os filhos, frutos do seu casamento com Louis Lindon, e contou-lhe sobre o romance.

Essa história dolorida é contada no filme “Brilho de Uma Paixão”, que eu recomendo muito:

brilho-de-uma-paixao-01

Bom, mas vamos voltar à Roma. John Keats viveu no sobrado por apenas quatro meses.

img_2236

Ao contrário dos que os médicos recomendaram, a viagem havia piorado muito os sintomas da doença. O poeta mal conseguia mais comer. Ele que sempre apreciou a boa comida, agora vivia de uma dieta rigorosa que consistia em leite e anchovas apenas.

Não saía mais da cama e sua estadia ficou reduzida a longuíssimos meses trancados num quarto. Às vezes sentava-se na escrivaninha e apreciava a vista da janela.

img_2238

foto-teto-do-quarto

Foram meses terríveis. John Keats morreu no dia 23 de fevereiro de 1821, às 16h. Foi enterrado no Cemitério Protestante, em Roma. Seu túmulo tem a inscrição que ele mesmo pediu: “Aqui descansa um homem cujo nome está escrito sobre água”.

A casa foi transformada em museu em 1909. Vale dizer que ela foi decorada como na época em que Keats ali viveu. É como um cenário. Infelizmente, não se trata dos mesmos móveis, livros e etc.

Porém vale destacar que o teto e a lareira do quarto são os mesmos. Outro ponto alto da visita é conhecer a máscara mortuária de John Keats.

foto-mascara-mortuaria

Costume daquela época, a máscara era feita de gesso para eternizar a última expressão da pessoa logo após a morte. As máscaras eram guardadas como recordação.

Bom, o negócio é que o museu fala muito mais do que essa trajetória triste de John Keats. Acabou virando um memorial da segunda geração romântica.

img_2232

 

foto-biblioteca

A visita começa por uma salinha onde é exibido um vídeo sobre o Romantismo. Enfim, seguimos para a biblioteca. E é ali que o guia conta a história da casa, de John Keats e da sua relação com poetas como Leigh Hunt e Percy Shelley, o marido de Mary Shelley (escritora de Frankenstein).

Inclusive, os três eram tão amigos que se presentearam com mexas de cabelos um do outro. Costume do século 19 que significava uma demonstração de carinho. Estão lá, expostos, os cabelos dos três:

foto-cabelo-dos-poetas

 

Quem se interessa pela segunda geração do Romantismo e tem uma viagem programada para Roma, deve incluir esse passeio no roteiro.

 

A Keats-Shelley House fica na Piazza di Spagna, 26.

Recomendo a visita na parte da manhã, assim você consegue aproveitar as lojinhas da região e, claro, tomar um típico gelato italiano sentado nos degraus da Escadaria Espanhola enquanto aprecia a vista do sobradinho.

Vale dizer que a Casa está localizada a poucos metros da estação de metrô Spagna.

Abre de segunda-feira a sábado das 10h às 13h e das 14h às 18h.

Os ingressos custam 5 euros para adultos. Menores de 18 anos e maiores de 65 anos pagam 4 euros. Crianças menores de 6 anos não pagam.

Saiba mais sobre a Keats-Shelley House no site do museu.

Denise Godinho

Meu nome é Denise Godinho. Decidi aprender a cozinhar e, para a empreitada ser mais interessante, vou fazer as receitas que estão escondidas dentro dos livros. E, acredite, são muitas!

Share This