A Culpa é das Estrelas e do Risoto de Cenoura Roxa

Decidi fazer o Risoto de Cenoura Roxa do livro “A Culpa é das Estrelas”, de John Green. No entanto, não foi nada fácil encontrar a cenoura roxa e acabei fazendo com a tradicional cenoura laranja. 🙁

 

A primeira vez que dei uma folheada no livro “A Culpa é das Estrelas” foi no final do ano passado. A minha cunhada Carolina foi quem me contou a história. Confesso que não fiquei muito interessada a princípio. Mas ai teve aquela febre. Um em cada três vagões do metrô estavam lotados de pessoas com esta capa azul na mão, postagens no Facebook comentando o romance entre Gus e Hazel, centenas de gifs animados com frases da obra. Depois, saiu o trailer da versão cinematográfica estrelada por Shailene Woodley e Ansel Elgort e, aí, a coisa desandou. Do trailer ao lançamento, só se ouvia falar nisso.

A Carol foi ver o filme e se lembrou do Risoto de Cenoura Roxa. Na hora me enviou mensagem dando a dica. E ai, pega pela curiosidade, comprei o livro, devorei em dois dias, fui ao cinema e vibrei com a cena do risoto. Mas, eu não poderia imaginar a via sacra que enfrentaria para encontrar a bendita da cenoura roxa.

(Peço licença ao leitor, pois este post é grande!)

O Risoto de Cenoura Roxa

Risoto de Cenoura Roxa de A Culpa é das Estrelas

Hazel Grace tem 16 anos e sofre com câncer na tireoide desde os 13. Seu livro favorito é “Uma Aflição Imperial” do escritor Peter Van Houten. O livro fala sobre a garota Anna que sofre de leucemia. O livro acaba de repente e Hazel fica curiosa para saber o que aconteceu com os outros personagens e manda diversos e-mails para o escritor, que nunca responde.

Como Hazel está viciada no tema morte, os médicos aconselham ela a entrar num grupo de apoio. É lá que Hazel conhece Augustus Waters, o Gus, que tem osteossarcoma já em remissão. Ambos se aproximam e Gus acaba enviando um e-mail para a assistente de Van Houten. O escritor topa se encontrar com os garotos e contar mais sobre a história de Anna se estes viajarem até Amsterdã para se encontrarem pessoalmente.

Hazel, a mãe e Gus viajam ao encontro do escritor. Na primeira noite, Peter Van Houten oferece um jantar para eles no restaurante Oranjee. Lá eles são servidos com champanhe à vontade, aspargos brancos com infusão de lavanda como entrada, risoto de cenoura roxa, sorbet de ervilha-de-cheiro, nhoque de alho verde com folhas de mostarda vermelha e como sobremesa, o cremeaux rodeado de maracujá.

"A comida era tão boa que a cada prato nossa conversa recaía em mais 
exaltações fragmentadas daquela deliciosidade: 
'Eu quero que esse risoto de cenoura roxa se transforme numa pessoa 
para que eu possa levá-la até Las Vegas e me casar com ela', 
'Sorbet de ervilha-de-cheiro, você é tão surpreendentemente magnífico'".

A saga da cenoura roxaA Culpa é das Estrelas

E aí, começou a minha odisseia. Como vocês já devem saber, eu moro em São Paulo. Por aqui, o lugar ideal para encontrar esta cenoura roxa seria no Mercado Municipal. Qual nada! Logo na primeira banca de vegetais fui informada que a cenoura roxa nunca deu as caras por lá. Ainda fui em outras bancas, na esperança de encontrar alguém que pudesse encomendar, mas nada. E aí conheci um senhor muito gentil que me deu a dica: “Vá até a Casa Santa Luzia. Se não tiver por lá, você não encontrará em nenhum lugar”.

Lá foi eu na Casa Santa Luzia que, por sinal, super indico. O paraíso das compras, cada comidinha sensacional. Você vai encontrar de tudo, tudo mesmo, com exceção, é claro, da cenoura roxa. No mercado uma moça me deu outra dica: Tenta o Empório Santa Maria.

Toca eu para o Empório. Chegando lá, conversei com a Paula, que me disse que já tentou encontrar a cenoura roxa para vender por lá, mas não conseguiu achar nenhum distribuidor. E agora? Entrei no taxi vencida e contei minha odisseia para o taxista – que logo me disse que talvez, não tinha certeza, sabe como é, faz muito tempo, mas achava que tinha visto a cenoura roxa em alguma daquelas quitandas da Liberdade.

Fui até a Liberdade. Andei horrores e ninguém nunca tinha ouvido falar na cenoura roxa. Confesso, me dei por vencida e fiz o risoto com a cenoura laranja. Mas fica aqui o meu apelo: PROCURA-SE CENOURA ROXA!

Curiosidadesa cula é das estrelas john green

Decidi que farei outra receita de “A Culpa é das Estrelas” no próximo post. Por isso, curiosidades sobre o livro e filme você encontrará lá. Hoje vou falar sobre a maldita bendita da cenoura roxa.

As cenouras eram, originalmente, roxas. As cenouras laranjas começaram a ser cultivadas, através do cruzamento de outras espécies do vegetal, apenas no final do século 16. Tudo isso aconteceu na Holanda, para homenagear a família real, que tinha a cor símbolo laranja. Esta é uma das lendas mais famosas sobre o surgimento da conhecida cenoura roxa.

Porém, há quem diga também que a cenoura roxa dava muito trabalho e manchava as mãos e utensílios de cozinha. E por isso criaram esta nova espécie.

Em Portugal ela é conhecida como Pau Roxo. Já na Inglaterra ela é chamada de Dragon Carrot (Cenoura Dragão).

IngredientesRisoto de A Culpa é Das Estrelas

– 4 cenouras médias raladas
– 1 colher sopa de óleo
– 2 colheres sopa de manteiga
– 6 xícaras de caldo de galinha
– 1 cebola picada
– 500g de arroz arbóreo
– 1 xícara de vinho branco seco
– 1 xícara de queijo parmesão ralado
– Sal e pimenta a gosto
– Salsinha

Passo a Passo

Em uma panela coloque 1 colher de óleo e 1 colher de manteiga e aqueça. Coloque a cenoura e a cebola e refogue.

Adicione 1/2 xícara de água, 1 colher de sal e pimenta e deixe cozinhar por 5 minutos, quando as cenouras começarem a dourar.

Enquanto isso, deixe o caldo de galinha fervendo em uma panela ao lado.

Junto as cenouras, acrescente o arroz e o vinho e cozinhe até o vinho evaporar.

Acrescente uma concha do caldo de galinha e mexa até evaporar. Repita este procedimento, colocar o caldo aos poucos até evaporar, para que o arroz cozinhe e fique macio. Demora cerca de 25 minutos.

Quando o arroz estiver macio e o risoto cremoso, acrescente a outra colher de manteiga, o queijo parmesão, a salsa e misture.

Risoto de A Culpa é das Estrelas

Fiquei muito chateada por não ter encontrado a cenoura roxa. Li na internet que o sabor dela é bem adocicado. Estou morta de curiosidade para conhecer!

Se você souber onde encontrar, me avise, por favor! Quando eu achar, prometo que refaço a receita!

Para compensar o meu “remendo culinário” com a cenoura laranja, eu decidi fazer a sobremesa do jantar de Gus e Hazel, o Cremeaux rodeado de maracujá. 

Mas, esta receita, é claro, ficará para o próximo post, combinado? 😉

Denise Godinho

Meu nome é Denise Godinho. Decidi aprender a cozinhar e, para a empreitada ser mais interessante, vou fazer as receitas que estão escondidas dentro dos livros. E, acredite, são muitas!

Share This